aguia

relogio

palavras

- FAÇA COMO AS ÁGUIAS Quando as tempestades da vida Surgem escuras à minha frente, Me recordo de maravilhosas palavras Que uma vez eu li. E digo a mim mesmo: Quando pairarem nuvens ameaçadoras, Não dobre suas asas E não fuja para o abrigo. Mas, faça como a águia, Abra largamente as suas asas E decole para bem alto, Acima dos problemas que a vida traz. Pois a águia sabe Que quanto mais alto voar, Mais tranqüilos e mais brilhantes Tornam-se os céus. E não há nada na vida Que Deus nos peça para carregar Que nós não possamos levar planando Com as asas da oração. E ao olhar para trás Verá que a tempestade passou, Você encontrará novas forças E ganhará coragem também. A paz do senhor !!

Seguidores

cabecinha

AMIGOS CURTI ESSA PAGINA NO FACEEBOK DEUS TE ABENÇOE

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

A história da águia

A águia é a ave que possui maior longevidade da espécie. Chega a viver setenta anos.
AguiaMas para chegar a essa idade, aos quarenta anos ela tem que tomar uma séria e difícil decisão. Aos quarenta ela está com as unhas compridas e flexíveis, não consegue mais agarrar suas presas das quais se alimenta. O bico alongado e pontiagudo se curva. Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas, e voar já é tão difícil!
Então a águia só tem duas alternativas: Morrer, ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar cento e cinquenta dias.
Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão onde ela não necessite voar. Então, após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo.
Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas. E só cinco meses depois sai o formoso vôo de renovação e para viver então mais trinta anos.
Em nossa vida, muitas vezes, temos de nos resguardar por algum tempo e começar um processo de renovação. Para que continuemos a voar um vôo de vitória, devemos nos desprender de lembranças, costumes, velhos hábitos que nos causam dor.
Somente livres do peso do passado, poderemos aproveitar o resultado valioso que a renovação sempre nos traz.
“Se alguém está com Cristo é uma nova criatura; as coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo.” Bíblia, Segundo livro aos Coríntios, capítulo 5 verso 17

aguia imperial



Águia-imperial
Águia-imperial
Foto original (700x903)
Wallpaper | Postal
Nome científico: Aquila heliaca

Reino: Animalia
Filo: Chordata 
Classe: Aves
Ordem: Ciconiiformes 
Família: Accipitridae
Género: Aquila
Espécie: A. heliaca 

Distribuição
Esta espécie de águia já só habita em locais isolados uns dos outros, embora ao longo de uma vasta área. Contudo, já existem poucos indivíduos em cada local.

Pode ainda ser encontrada em algumas zonas da Europa, principalmente na Penisula Ibérica, nos Balcãs e na Turquia, também numa faixa estreita que se estende pela Ásia Central e ainda ao longo do Rio Nilo, no Egipto.

No Norte de África, em Marrocos, ocorrem com alguma regularidade alguns casais, embora estes façam parte da população espanhola destas aves, que apanha as correntes de ar quente africanas para pairar até este continente.

As águias-imperiais são muito parecidas com as reais, embora a sua dimensão seja ligeiramente menor. Uma ave adulta chega aos 80 cm de altura e atinge uma envergadura de 2,00 m.

Alimentação
Da sua alimentação fazem parte pequenos roedores, aves de menor dimensão e com muita frequência répteis, principalmente cobras.

Em Espanha, notou-se uma ligeira recuperação em relação ao número dos casais registados e monitorizados, embora neste momento se preveja que esta espécie corra perigo de extinção a curto / médio prazo, se não forem tomadas medidas importantes.

aguia das filipinas

Águia-das-filipinas
Águia-das-filipinas
Foto original (504x388)
Wallpaper | Postal
Nome científico: Pithecophaga jefferyi

Reino: Animalia 
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Ciconiiformes 
Família: Accipitridae
Género: Pithecophaga
Espécie: P. jefferyi 

Distribuição
Esta ave já só habita um pequeno conjunto de ilhas das Filipinas. As florestas das ilhas de Leyte, Luzon, Mindanão e Samar são o seu último refugio. 

Depois da desflorestação bárbara a que o sudueste asiático foi sujeito, deixou de haver lugar para elas noutros locais, onde há não muito tempo ainda voava em todo o seu esplendor.

Alimentação
É conhecida pelos locais por águia-pega-macaco, já que da sua alimentação fazem parte macacos e lémures, entre outros animais de grande porte.

Tamanho
Uma destas águias pode medir até cerca de 1 metro e ter uma envergadura de 2,40 metros, sendo considerada uma das maiores a nível mundial.

Reprodução
Julga-se que cada fêmea põe um ovo a cada 3 anos, num ninho que chega a ter 3 metros de diâmetro. 

Estatuto de conservação
O seu estatuto de conservação é de Perigo Crítico, estima-se só existirem a viver em liberdade cerca 250 indivíduos.

aguia real


Aguia real
Aguia real
© State of South Dakota
Foto original (800x1052)
Wallpaper | Postal
Águia real
Nome científico: Aquila chrysaetos

Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Ciconiiformes
Família: Accipitridae
Género: Aquila
Espécie: A. chrysaetos

Distribuição
Esta ave pode ser encontrada desde a Europa Ocidental até à Ásia e ao Norte de África, podendo também ser encontrada em grande parte da América do Norte
A águia real vive preferêncialmente nas terras altas e montanhosas, podendo (por enquanto...) ainda ser vista em algumas serras de Portugal, voando em círculos, em busca da sua presa.
O melhor local para ainda observar esta ave, é o interior Norte do país. Ocasionalmente pode ser avistada no Alentejo ou mesmo no Algarve, mas será muito difícil ter esse vislumbre.

As águias reais podem ser observadas com mais facilidade no Parque Natural do Douro Internacional.

Perigos
Estas aves podem já estar extintas na Serra do Gerês e poderá nesta altura ameaçada a sua continuidade nos céus portugueses, principalmente pela caça que lhe foi, e continua a ser, movida por caçadores ilegais sem escrúpulos.
Os postes de alta tensão e as torres metálicas que os transportam também têm sido motivo de muitas mortes.
Por fim, também o envenenamento de muitas aves vem aumentar a desaparecimento acelerado desta espécie.

Tem sido feito um enorme esforço no sentido de sensibilizar os habitantes destas zonas e os caçadores para a importância destas aves, tentando assim minorar estes perigos e pelo contrário contar com a colaboração das populações na preservação das aves de rapina.

Alimentação
A sua visão é excelente, permitindo ver ao pormenor tudo o que mexe no chão. As sua presas são ratos, coelhos e, pontualmente, répteis. O círculo descrito pela águia real serve para observar cuidadosamente cada palmo de terra por baixo de si. Se, eventualmente, algum dos animais que caça se encontrar por lá, atacará em voo picado, de forma decidida, deixando pouco espaço de manobra à sua presa.

Para se manter no ar, a águia aproveita as correntes térmicas, que lhe permitem planar sem qualquer esforço durante algumas horas. Usa a sustentação que as suas asas lhe proporcionam de forma magnífica, batendo-as apenas para se manter na altura desejada.

Reprodução
As águias reais fazem os seus ninhos nas encostas das serras, ou no topo de algumas árvores.
Chegada a época da reprodução, põe dois ovos, que choca durante 38 dias.
Após a eclosão das crias, a alimentação das mesmas é partilhada pelo casal.